segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Prima traíra parte 2


Pra quem gostou da crônica que  fiz á alguns meses atrás e estava anciosa para ver a continuação, aqui está ela (Ah, e se você ainda não viu tá esperando o quê?).

Cheguei de madrugada e cheia de malas lá ela estava minha prima me esperando dentro de um jeep preto, até hoje me sinto culpada por ter beijado aquele namorado dela, ela sempre foi tão legal.
- Como você está?
- Bem, mas me conta o que tá fazendo da vida.
E minha prima começou a contar tudo que ela havia feito durante o ano tinha até adotado um cachorro, me contou do seu terceiro casamento escondido da família e que não tinha durado muito por ela ser ciumenta.
- Sabe o que estou me lembrando? quando vim aqui você tinha um namorado, o quê aconteceu com vocês?
- Ele começou a ficar cada dia mais distante, terminei com ele. Acho que ele tinha outra.
- Ahh.
E até chegarmos na casa dela ela continuou tagarelando como esses treze anos haviam passado rápido e como eu parecia aquela garota de desessete anos e ela parecia uma velha ~~ mas nós duas sabíamos que isso era mentira, ela estava linda.
Dormi um pouco e quando acordei já era nove horas, minha prima não estava em casa, mas tinha um cachorro enorme rasgando o vestido que eu usaria a noite. Não consegui recuperar o vestido, mas adorei conhecer o filho da minha prima. Ela não preparou nada, porque  iria para casa do novo namorado.
Fiquei sozinha em casa com o cachorro e sem vontade nenhuma de sair, mas o cachorro começou a latir, então resolvi levar ele para passear na praia, vesti um vestido verde curto. E o cachorro saiu me arrastando pela praia, a praia estava cheia e não estava conseguindo mais segurar o cachorro, um cara viu meu desespero e resolveu me ajudar, quando olhei vi que ele tinha uma cicatirz no queixo.
- Será que nós não nos conhecemos?
- É acho que nos conhecemos.
Ele deu um sorriso debochado lindo, que me fez ter certeza de quem ele era. Ele segurou minha mão e eu me deixei levar por aquele quase estranho. Paramos na mesma pedra que nos beijamos.
- Por que você nunca mais voltou, eu não consegui mais parar de pensar em você.
- Também não consegui parar de pensar em você, mas não é assim.
- Então como é?
Ele se aproximou, se aproximou, e quem beijou fui eu, eu que larguei o cachorro e caí nos braços dele, mas dessa vez não saí correndo, levei ele para casa da minha prima, ela estava lá a minha espera, a nossa espera.
- Eu sabia! Não precisa me explicar nada, mas você roubou meu namorado e ainda trouxe ele aqui pra casa, quero vocês dois fora daqui agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário