terça-feira, 30 de julho de 2013

Mais Feliz Impossível!

Ahhh, a vida é maravilhosa! Acho que não tria música mais linda do que Pontes Indestrutíveis nesse momento:
 
Smile Forever!

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Meus Livros; Laços de Família

Terminei de ler Perto do Coração Selvagem já comecei ler esse, não esse se vocês já perceberam, mas eu amo ler vários livros do mesmo autor. Esse livro da Clarice Lispector reuni treze contos maravilhosos, os mais conhecidos são: Amor, Uma Galinha e Feliz Aniversário.
Os contos que mais gostei foram: Começos de Uma Fortuna, Feliz Aniversário e A Menor mulher do Mundo.
Indico a leitura desse livro para todos, mas principalmente para aqueles que estão envolvidos nos Laços de Família!

Sobre a autora: Quem nunca leu uma frase da Clarice Lispector, né. Ela nasceu em uma pequena cidade na Ucrânia, e chegou ao Brasil com dois meses de vida. Viveu em Maceió até os doze anos, depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se formou em Direito, trabalhou como jornalista e iniciou sua carreira literária. Faleceu em dezembro de 1977, no Rio de Janeiro. E Laços de Família é um dos seus livros mais famosos.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Hoje é Dia do Escritor!

Hoje eu podeira falar sobre o livro que estou lendo, ou sobre a série de livros que mais me marcou, mas não hoje eu quero falar dos seres mais iluminados e que me fazem tão feliz sem nem me conhecer, esses seres maravilhosos são osescritores. Queria falar um pouco sobre cada um, sei que não vai dar, mas vou agradecer um pouco!
Liz Gilbert: Muito obrigada por ter nos mostrado a sua história linda em Comer Rezar Amar.
Nicholas Sparks: Cara você me faz chorar tanto, amo todos os seus livros que já li. Obrigada por... tudo.
Dan Brown: Muito, muito obrigada por ter me apresentado o Robert (há! há!), você me informa muitoooo.
Aghata Cristie: Seus livros são surpreendentes!
Becca Fitzpatrick: Adoro o Patch e a Nora!
Lauren Kate: Tipo, amor eterno pela série Fallen.
Clarice Lispector: Adorei sua escrita, e claro suas frases são incríveis.
Thalita Rebouças: Seu livro tá chegando, mas já agradeço a sensação que ele vai me dar.
Toni Brandão: Foi muito bom conhecer o Greg!

Gente nem agradeci metade dos autores que amo. Feliz dia dos fazedores de livros e de sonhos!


Meu Make: Vai de Preto!

 
A tag "Meu Make" tá de volta! He! he! Só que agora tá em um formato um pouco diferente, vou falar só sobre um make em especial.
Acho que eu não poderia recomeçar a tag falando de um make diferente, não sei se vocês sabem, mas eu sou A louca do olho preto, sério, não uso todos os dias, claro, mas é só ter uma festa que eu me jogo no preto, até tentei optar por outras cores para usar à noite, mas não não tem jeito adoro mesmo é o preto.
Não tenho um canal no YouTube ainda, mas vou descrever pra vocês como faço Meu make.

O que uso:
- Lápis preto
- Sombra preta
- Iluminador perolado
- Rímel preto

Como Faço:
Paço o lápis rente aos cílios superiores e inferiores, aplico a sombra preta com um pincel fininho esfumando o lápis, uso iluminador perolado no canto interno do olho, passo várias camadas de rímel. E estou prontinha!
Aaah, pera aí, não vai exagerar na cor do batom não, viu? Gosto de usar um gloss quase nada com esse make.
Outra coisinha, o que vocês acham do blog ter um canal lá no YouTube? 

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Exato Momento...

Talvez o amor só seja assim pra mim...


Adoro essa música!


Me Deixar

 No momento que coloquei os olhos em você soube que você era um idiota, mas que era o único idiota que conseguiu mexer comigo. Você não me deu atenção, na verdade acho que me olhou por uns quatro segundos, nem liguei, estava em um relacionamento conturbado e aquele era o meu momento de diversão com as minhas amigas, mas simplesmente não parei de te olhar e, sim, você me fez parar de sorrir, não me pergunte porquê.
Depois que terminei com o cara que já me fez chorar mais do que eu pensava que fosse possível, minhas amigas me perguntaram se eu queria conhecer alguém - minha resposta? - Claro que eu queria conhecer alguém, sabe aquelas garotas vingativas que sofreu por um amor e depois pensam que todos os outros caras vão à tratar do mesmo jeito? Pois é, elas não existem só em séries, queria maltratar alguém e, que pena, elas me apresentaram você.
Muito legal, legal demais, fingi que não estava nem aí, mas você logo percebeu o meu jogo e, me chamou de desconfiada, se tornou meu amigo, me fez confiar, me pediu em namoro, pra depois me deixar.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Minha nail art: Sapo?

Tinha um tempão que eu não postava uma nail art aqui pra vocês, ontem à tarde fiz essa e resolvi fotografar, então acabou virando post, aí vai:
Usei sapo encantado da Avon, não é um esmalte que eu uso muito, mas eu gostei do resultado.

Usei o preto da QTock que é o segundo esmalte da marca que comprei e, achei muito bom.

E o incolor da Risqué.

Como fiz:
Pintei todas as unhas com o sapo encantado.

Utilizei um palito de madeira (daquele de pegar queijo) para fazer as bolinhas com o esmalte preto.

Depois de todas as bolinhas feitas e secas passei o esmalte incolor da Risqué.

E esse foi o resultado: 
Ps: Me desculpem pela qualidade das imagens é que quando fotografei já tava escurecendo ):









segunda-feira, 22 de julho de 2013

Ô estilosa!

Tô cheia de coisas para fazer (livros pra ler, semana de prova aí...), mas em vez de fazer tudo que tenho que fazer fiquei com vontade de postar pra vocês uns looks inspirações (lá do lookbook) então aí vai os queridinhos da vez:







Não sei se essa semana eu tô a louca vintage, a louca do rock, ou a moderninha...
Duvida cruel Há! há! há!





domingo, 21 de julho de 2013

Meus livros: Perto do Coração Selvagem


Não sei como eu consegui esquecer de postar sobre esse livro incrível pra vocês, sendo que agora já estou lendo autora da mesma autora (e estou amando).

Em Perto do Coração Selvagem, a vida de Joana é contada parte na infância parte na vida adulta. Quando criança não conheceu a mãe, foi criada com o pai, mas ele morreu quando ela ainda era uma criança, morou com os tios por algum tempo... Conheceu o professor... Parou em um internato... Conheceu Otávio.
Cheguei a achar que ela era realmente uma víbora, sei lá, pode ser que sim pode ser que não. Só sei que esse livro é incrível, e ela não acha que se sentir feliz seja  a melhor coisa do mundo. E aí, deu curiosidade?

Sobre a autora: Eu tenho certeza que você já ouviu falar na Clarice Lispector (é, a autora que a Fatinha tanto falava). Ela nasceu em uma pequena cidade na Ucrânia, e chegou ao Brasil com dois meses de vida. Viveu em Maceió até os doze anos, depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se formou em Direito, trabalhou como jornalista e iniciou sua carreira literária. Faleceu em dezembro de 1977, no Rio de Janeiro. Perto do Coração Selvagem foi o seu livro de estreia.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Demi Lovato - Made in the USA

Achei o vídeo lindo, a Demi estava linda, e meio que uma mistura de Um Homem de Sorte e Querido de John  ou seja, amei muitoooo, se vocês ainda não viram é só da o play:

O que acharam?

terça-feira, 16 de julho de 2013

Lágrimas, Amizade e Amor, parte 6


- Vai ter que casar.
- O quê? - eu e Ian dissemos juntos assustados.
- Isso mesmo, dormiu junto tem que casar.
Olhei pro Ian, o Ian olhou pra mim, nós dois estávamos em estado de choque, sem reação alguma. De repente o Alê começou a rir.
- Vocês tinham que ver a cara de vocês. Parecendo dois zumbis.
- Essa não entendi. - Ian disse.
- Nem eu. - Confessei.
- A Michele me ligou dizendo que você tinha passado a noite com o namorado dela.
- Ex! - Ian corrigiu.
- É, mas ela falou namorando, eu já estava vindo fazer uma visita, já que Hannah terminou comigo.
- Sinto muito Alê.
- Não sinta, ela me pegou com uma amiga dela.
- Cachorro! - Falei e olhei pro Ian. - Ou nem tanto.
- Então não vamos precisar mais casar? - Ian perguntou brincando.
 - Não.
- Já estava gostando da ideia.


- Me desculpa Alê - disse quando o Ian foi embora. - Eu fui uma irresponsável.
- É, você foi mesmo, mas eu também fui, então não se culpe só não repita, com frequência.
Sessão pipoca jogados no sofá.
Recebi uma mensagem.
- O Ian quer me encontrar à noite, posso ir?
- Claro, não chegando amanhã à tarde.
- Prometo.
Baguncei todo o quarto para encontrar o vestido perfeito e, não encontrei . Amarelo. Lilás. Com bolinhas. Com florzinhas, até encontrar um preto acinturado com saia de tule, fiz um traço gatinho com o delineador, suavizei o rosto com o blush - sempre! - coloquei um scarpin azul caneta, me olhei no espelho e me senti a própria Katy Perry de olhos escuros.
- Nossa maninha, como você está linda!
- Você achou mesmo?
- Linda demais, só não vai chegar tarde.
- Tá, e você, nada de receber visitinhas, viu?
- Sim senhora! - falou batendo continência.
O Ian combinou de me encontrar na praça.
TÔ TE VENDO. TÁ LINDA! - recebi uma mensagem.
Me virei, e lá ele estava, todo alinhado, parecia ter saído de um editorial de moda, segurando um lindo buquê de tulipas vermelhas.
- Li em algum lugar que as tulipas vermelhas simbolizam o amor eterno. - Disse.
Nos beijamos.
- Te amo, te amo, você foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida desde de... desde de sempre. - Falei, ele me abraçou forte.
Alguém batia palmas atrás de mim.
- Comovente - era a voz da Michele. - Seu irmão sabe que você está aqui 'amiga'?
- Tanto sabe que quando ele ficou sabendo que nós estávamos juntos exigiu que nos casássemos, que bom que ele veio, né?
Ela ficou vermelha de raiva, saiu pisando forte.
- Por que você disse isso? - Ian quis saber.
- Porque ela tava merecendo.
- E aí, quer casar comigo? - perguntou de repente.
- Agora não, mas quem sabem um dia.
- É, quem sabe um dia...
Ficamos ali na praça namorando, como um casal meloso que não tem nada para fazer no final de semana.
- Sabe o quê me lembrei? - Ian perguntou.
- De quê amor?
- De uma frase da Martha Medeiros.
- Diz pra mim namorado culto.
- "E no amor é assim, não existe moral da história!"
Beijo.
Fim.

  

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Lágrimas, Amizade e Amor, parte 5

- Espera amiga - esse foi primeiro sinal de falsidade. - Fiquei tão feliz de ver vocês dois juntos. Vocês estão namorando?
Olhei para a Michele, e lá estava ela, ruiva natural, olhos verdes e pele perfeita. Ela sabia muito bem que eu odiava quando ela me chamava de "amiga", pois pra mim é o maior sinal de falsidade - ela estava sendo falsa!
- Sim. Nós estamos namorando - Ian disse apertando a minha mão. - Algum problema?
- Não, de jeito nenhum, eu desejo o melhor pra minha melhor amiga e para o meu melhor namorado.
- É... estamos com pressa - falei.
- Eu vou com vocês, afinal, estudamos na mesma sala.
Chegamos na sala antes do professor, me sentei ao lado do Ian, e a Michele foi falar com as amigas dela. Fora todo mundo ficar olhando para mim e pra o Ian o tempo todo, as coisas pareciam normais.
- Ela tá mentindo descaradamente - Ian cochichou no meu ouvido.
- Eu sei. - Olhei pra ela, e ela sorria. - Não falou comigo quando eu mais precisava, agora vem com essa falsidade.
- Aquele dia que ela te viu lá em casa, não gostou nadinha.
O professor de literatura na - melhor professor - como de costume pediu para a líder da sala ler uma frase pra começar bem o dia.
- Professor - Ian levantou a mão - eu queria ler a frase hoje se a Catarina não se importar.
- Então venha ler a frase aqui na frente pra gente Ian.
Ele se levantou com um pedaço de papel na mão.
- "Não somos um casal melado, mas duvido que tenha alguém que duvide do nosso amor. Quer dizer, a gente duvida, mas a gente é louco." Tati Bernadi. Te amo Lucy.
Fiquei vermelha, todo mundo gritava e olhava pra mim, ele veio até a minha cadeira e me deu um beijo no rosto.
- Também te amo, muito. - Disse, aumentando a gritaria. A aula continuou normalmente, senti uma bolinha de papel bater no meu pé, olhei pro Ian e ele sorria pra mim.

Nossa. Ele tá apaixonado mesmo,
Parabéns Amiga.
Felicidades ao casal!

Mi.
Olhei pra ela, e ela sorria forçadamente, sorri de volta, mas com um sorriso de verdade.
Ficamos com os dois últimos horários vagos.
- Vamos lá pra casa? - Ian chamou com aquele olhar irresistível.
- Vamos. - Saímos de mãos dadas.
Chegamos na casa dele, não deu tempo nem de entrarmos, meu celular tocou.
Olhei o nome do Alê na tela, mas não quis atender, não iria conseguir mentir pra ele, e não estava pronta pra falar verdade.
O fim de semana chegou, e depois de quase três meses sofrendo, estava feliz, namorando com um cara lindo que curtia Boyce Avenue e livros do Nicholas Sparks. Minha vida poderia ser mais perfeita?
Depois de passar a madrugada assistindo uma comédia romântica  sobre um casal que queria se separar, acordei toda torta no sofá da casa do Ian.
- Eu vou ficar com a TV, esse sofá machuca a coluna. - Disse imitando uma fala da protagonista do filme.
- E eu vou ficar com você, mesmo com dor na coluna. - Fofo como sempre.
Beijo.
- Tenho que ir pra casa deve tá uma bagunça aquilo tudo.
- Só se você me deixar te levar. - Falou segurando meu braços.
- Tá bom, então vamos.


Coloquei a chave na porta.
- Que cor são seus olhos Ian? - perguntei.
- Verde azulado. - Sorriu.
- Assim não vale, são verdes ou azuis?
Abri a porta de costas.
- São da cor que você quiser. - Disse me beijando.
Empurramos a porta e continuamos nos beijando.
- Larga a Lucy agora - ouvi o grito do Alê - Bem que a Michele  me avisou.
- Calma Alê, não é nada disso.
- Quem é esse? - Ian me perguntou.
- Tá vendo, o babaca nem sabe que você tem um irmão. Lucy olha pra mim, eu quero ouvir uma justificativa, eu tô aqui desde de ontem à noite e minha irmanzinha simplesmente não dormiu em casa.
Só pensava em ir embora, mas ir pra onde se eu estava na minha casa?

Continua...

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Lágrimas, Amizade e Amor, parte 4

- Melhor não - disse colocando a chave na porta - Tá um pouco tarde e eu ainda tenho que copiar os assuntos, se não eu perco a hora de novo.
- Nossa... não tá tarde e você dormiu o dia todo, será que não pode me dá um fora normal?
Fiquei olhando pra ele, pensando em alguma resposta convincente, mas acabei demorando demais.
- Tá bom, tô indo. Não incomodo mais.
Começou a se afastar sem dizer mais nada, como se estivesse dormindo e caísse da cama percebi meu erro.
- Ian - gritei. - Ian... Fica aqui comigo.
Ele parou, mas também não veio em minha direção, fui encontra-lo no meio da rua.
- Algo errado? - perguntei timidamente.
- Nuca imaginei que você gritaria isso no meio da rua, mesmo de uma rua tão parada como essa.
- E aí, vamos entrar? - Foi o que consegui dizer.
- Vamos. - Falou segurando a minha mão.
Sabia que no outro dia as vizinhas fofoqueiras iriam dizer que a menia órfã entrou de madrugada com um rapaz em sua casa. Cidade pequena é assim  mesmo.
- Bela casa.
- Obrigada.
Ele olhou alguns retratos, até ver uma foto minha com Alê, ele não disse nada, mas percebi sua curiosidade.
Tirei o all star, soltei o coque, e comecei a me sentir a vontade com aquela companhia em casa.
- Quer comer alguma coisa? - perguntei.
- Vamos fazer um brigadeiro? - disse animado. - Adoro brigadeiro!
- Pode ser - achei estranho toda aquela animação.
Bagunçamos toda a cozinha só para fazer um brigadeiro, no final da contas ficou bom.
- Ai! queimei minha língua - reclamei.
- Claro, você tem que esperar esfriar.
- Vou no banheiro rapidinho. - Abri a torneira, joguei água no meu rosto, não sabia que jogo era aquele, mas estava disposta a jogar.
Entrei na cozinha, e nada de Ian nem panela de brigadeiro.
- Ian! - Chamei.
Ninguém respondeu, procurei ele na sala, e nada, entrei no meu quarto, mas também não tinha ninguém, ouvi a porta se fechando, quando fui me virar ele me beijou, não sabia se aquilo estava certo, só sabia que estava gostando. Ele me levou até a minha cama e começou a me beijar delicadamente, não tinha planos que a minha primeira vez fosse com o ex da minha ex melhor amiga, mas essa história estava precisando mais de atual do que de ex. A noite foi perfeita, totalmente fora dos planos - mas perfeita - acompanhada de brigadeiro e de muitos beijos. Acordei de madrugada e vi aquele cara branquinho de ombros largos e braços fortes dormindo na minha cama nem acreditei.
- Psiu - chamei meio sonolenta - você tá qui mesmo?
- Não poderia estar em outro lugar. - Disse me beijando.
Dormi.
- Ei menina, você tem que acordar! - alguém disse puxando o cobertor, e não era o cara que sonhei no começo da semana, esse que puxava o cobertor era bem mais bonito, idiota e apaixonante.
- Que horas são? - quis saber.
- Seis e quinze. Por que?
- Não acredito que você me acordou essa hora. - Olhei com cara feia.
- Tá, então vou deixar seu café da manhã aqui em cima e vou ir embora.
Levantei com um pulo.
- Obrigada Ian, você é um amor.
- De idiota a "Um amor" grande evolução.
- Você continua sendo um idiota só que agora é o meu amor.
Beijos. Bagunça. Travesseiro. Mini faxina na cozinha. Banho juntos.
- Partiu colégio?
- Espera aí, falta o blush.
- Não podia faltar, né? - disse ironicamente.
Saímos de mãos dadas a caminho do colégio, depois de algum tempo percebi que a Michele estava vindo na nossa trás.
Continua...
    

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Lágrimas, Amizade e Amor, parte 3

Não cheguei em casa arrasada nem nada do tipo. Olhei pra aquela desconhecida no espelho, e fiquei feliz por ter feito a Michele sentir raiva - não sou má, só que ela me fez sentir coisas piores que raiva.
Dormi. Dormi. Dormi. Quando olhei no relógio era mais tarde do que devia, nem me preocupei em para o colégio, não queria encarar certas pessoas mesmo. Fiz faxina durante todo o dia ao som de Demi Lovato. Um almoço de verdade depois de algum tempo comendo sanduíche caiu muito bem.
A tarde passou rápido, começou a escurecer e me sentir só, não tinha conversado com ninguém o dia todo. Meu celular tocou e vi o nome do Alexandre na tela.
- Por que você nunca mais me ligou?
- Calma Lucy. Liguei todos os dias no mesmo horário, mas seu celular sempre tava fora de área ou desligado - imitou a voz eletrônica.
- Fala logo o que tá acontecendo maninha.
- Não tá acontecendo nada. Juro.
- Mentirosa. Sempre que você jura você mente. O que tá acontecendo?
- Meio que beijei o ex da Michele - nunca consegui mentir pra ele.
- Mas você ficou mal por ter beijado ele por ele ser ex dela?
- Não. Fiquei mal por ele ser tão... tão ele.
- Não acredito! minha irmanzinha que não acredita no amor tá apaixonada! - começou a rir do outro lado.
- Eu não estou apaixonada!
- Tô indo Hannah - falou com a voz distante. - O nosso namoro vai de mal a pior. - Falou baixinho pra mim.
- Sinto muito.
- Tem certeza que não quer vir morar aqui comigo? não gosto da ideia da minha irmã apaixonada ficar morando sozinha.
Não Alê, eu não quero morar em São Paulo. Ah, o que você acha que eu posso fazer aqui sozinha.
- Você nem imagina, né?
- Deixa de ser chato e vai ver o que a Hannah quer.
- Se cuida.
- Você também.
O Alê nuca quis que eu ficasse sozinha, mas eu precisava desse tempo.
Os meus pensamentos foram interrompidos, mas uma vez pelo toque do meu celular. Quando eu te vi fechar a porta eu pensei em me atirar pela janela do 8º andar... Na tela apareceu um nome tão pequeno, mas que fez meu coração dar cambalhotas - Ian - atendo ou não atendo? aquela música tava me enlouquecendo.
- Oi - disse com uma voz rouca.
- Oi, por que você não foi para o colégio hoje?
- Acabei dormindo demais.
- Garota você precisa de um despertador - brincou.
- Pois é.
Silêncio.
- É constrangedor querer dizer alguma coisa e não conseguir - ele disse.
- Fala...
- Vem aqui em casa pegar meu livro emprestado, afinal, você perdeu um dia de aula.
- Ma já escureceu...
- Olha a frescura - me interrompeu - Na volta eu te levo até a porta da sua casa. Pode ser?
- Pode, mas só para você saber, eu não sou a Michele, então não me chame de fresca - desliguei.
Camiseta com estampa de bigode. Short. All star. Coque. Sem blush.
Andei rápido, tão rápido que quando percebi meu dedo já estava apertando a campainha.
- E aí? - veio me dar um beijo, mas me desviei a tempo - tudo bem?
- Tudo.
- Pera aí... Você tá sem blush?
- Tô - fiquei vermelha - com você nem preciso.
- Que bom entramos - ele me levou até o quarto dele, era um quarto bonito, resolvi ficar esperando ele pegar o caderno da porta mesmo.
- Qual é o problema? - perguntou.
- Pressa. Você me leva?
- Claro.
Andamos pelas ruas tranquilas. Parei na frente da porta da minha casa.
- Amanhã levo o caderno... - comecei a me despedir.
- É sério que você não vai me convidar pra entrar?

Continua...


          
 

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Lágrimas, Amizade, e Amor, parte 2

Blush. Delineador. Gloss.
- Nossa! Você ainda sabe se maquiar. - Disse para o meu reflexo.
Mochila. Chaves. Balas de morango.
A casa do Ian não é muito longe, mas dá pra aproveitar o caminho. Por todo lado casas antigas - um toque na campainha. - A casa dele nem se encaixava naquele bairro por ser tão moderna.
- Oi!
- Oi.
- Você tá linda... Entra.
Meu rosto ardeu e na hora percebi que deveria está vermelha, e com certeza ele também percebeu.
Começamos a fazer a célula na mesa da cozinha - e que cozinha linda!
- Posso te fazer uma pergunta pessoal?
- Sim eu quero namorar com você.
- Deixa de ser bobo. - Passei gel no rosto dele. - Por quê você e a Michele não estão mais juntos?
- Sabia que era uma pergunta idiota! - E colocou um pouco de gel no meu nariz.
Ele brincou, mas desviou do assunto muito bem, tão bem eu nem percebi.
- Sabe, a Michele tava comigo no dia do acidente. - Comecei falar do nada. - Pensa... Você sair da escola e ver sua mãe em baixo de um carro, e sem vida.
- Lu... Eu fui e sou contra as atitudes da Michele.
- Ela me largou lá na rua chorando, e nunca mais falou comigo.
- Foi por isso que eu terminei com ela...
Ele se aproximou e abriu os braços, e eu fiquei naquele a braço gostoso.
Nunca gostei do Ian e nunca escondi isso também, era totalmente contra o namoro deles. E só quando senti aquele abraço percebi que agora estava do lado (frente) da pessoa certa.
Quando nos afastamos percebi que as lágrimas que eu nem percebi sair molharam todo o meu rosto.
- Miss. Blush? Seu blush derreteu. - olhei pra cima e vi aquele sorriso de "O que vai fazer?"
- Droga! Onde é o banheiro?
Fui correndo para o banheiro.
Esse é o meu tipo de emergência. Pensei.  
Ian entrou no banheiro, mas nem briguei , ele tinha sido legal comigo.
Tirei o blush e o delineador por completo, e vi aquele cara atrás de mim sorrindo - outra vez.
- Que foi? - e vi minhas bochechas ficarem rosa.
- Você é tão branquinha.
- Só por que você é menos pálido não tem direito de ficar zombando da minha cor desbotada.
- Você não é desbotada. Você é linda.
Ele pegou a minha cintura e me virou, fiquei sem ação - mas só por dois segundos.
- Vamos terminar o trabalho? - e saí do banheiro.
- Claro. - coçou a cabeça.
Em apenas dois dias fizemos uma bela célula.
Ele me levou até a porta, mas eu sentei na calçada e ele se sentou também.
- Agora é a minha vez, posso te fazer uma pergunta?
- Acho que sim. - Respondi com medo de me arrepender.
- Por quê você era contra meu namoro com a Michele?
- Sei lá, não fui com a sua cara.
- Adoro a sua sinceridade - falou reprimindo um sorriso.
- E eu quando você sorri - confessei sem pensar.
- Tô começando a gostar disso. - segurou minhas mãos.
- Melhor eu ir. - Me levantei, mas ele ainda segura uma das minhas mãos. Olhei para aqueles lindos olhos, seriam verdes ou azuis?
- Você precisa ir mesmo?
- Sim.
Ele saiu no portão comigo e na nossa despedida desajeitada acabou rolando um selinho. Me virei rosa de vergonha e dei de cara com a Michele.
- Você foi rápido Ian... - saí pisando forte e não ouvi mais nada a não ser Sparks Fly da Taylor Swift nos meus fones de ouvido.

 

domingo, 7 de julho de 2013

Lágrimas, Amizade e Amor

Ei menina, tá na hora de acordar!

Eu sei que o cara de óculos que estava nos meus sonhos não me disse isso, mas acho que era o dever de acordar que me fez pensar nisso.
Chinelos. Escova. Chuveiro. Blush. All star. Rabo de cavalo. Mochila. Maçã.
Era o meu primeiro dia do último ano de aula, passei rápido pelo corredor que eu e minhas (antigas) amigas matávamos aula. Cheguei antes do professor. Coloquei minha mochila em uma mesa próxima a janela e comecei a examinar a sala - as mesmas pessoas e aqueles mesmos olhares - morriam de pena de mim. E eu odeio pena.
O sinal tocou e nada de apresentações, era o terceiro ano e os professores tinham pressa. As aulas passaram tão rápido que quando percebi já estava no último horário. Ma como tudo na vida, não podia ser tão fácil, a professora de biologia passou um trabalho que seria feito em dubla para a próxima semana.
Ótimo.
Sozinha.
- Ian  você pode fazer dupla com a Lucy - só escutei a professora dizer isso, esse garoto estudava comigo desde o primeiro ano (do ensino médio), e  conhecia o bastante para manter distância.
Fiquei o resto da aula tentando me decidir o que comeria no almoço. O sinal tocou e o idiota veio falar comigo.
- É melhor começar fazer o trabalho hoje mesmo, pode ser na sua casa?
- Não, melhor não - desde o fim do ano não gostava que as pessoas frequentassem a minha casa.
- Então tá, te mando o endereço da minha casa por SMS, quero você lá às três! - E saiu.
Almocei, lavei a louça, liguei o computador, e me perguntei pela milionésima por que ainda tinha contato nas redes sociais.
Recebi o SMS. Vestido. Sapatilha. Rabo de cavalo. Blush. Mochila.
Até que não era muito longe, toquei a campainha, ele veio, conversamos sobre o trabalho, e até fizemos piadinhas sobre a professora.
- Você mora sozinho? - não tinha visto ninguém lá.
- Não, é que meus pais estão de férias, sabe, segunda lua de mel.
Juro que eu senti inveja dele, por ter um pai e uma mãe que se amam.
Continuamos o trabalho por algum tempo. E deixamos o resto para o outro dia. Ele me levou até a porta, percebi que ele não queria me deixar ir embora, e pior, eu não queria ir.
Nos sentamos na calçada da casa e ficamos conversando sobre tudo e sobre nada.
- Por quê você não me perguntou sobre a minha mãe? - quis saber.
- É um assunto seu, acho que for pra falar você que tem que falar. - E assim descobri que ele não era tão idiota.
Conversamos sobre outras coisas. Me despedi e fui para casa com uma sensação boa.
Filme. Pipoca. Pijama. Fones de ouvido. Travesseiro. Coberto. Sono.
Acordei mais tarde do que devia, quem mandou ficar ouvindo música? se minha mãe tivesse aqui ela teria me acordado.
Jeans. Coque. Mochila. E blush - não saio sem blush. Olhos inchados. Óculos escuros.
Não encontrei ninguém indo para o colégio, sinal que estava muito atrasada. Corredor vazio. Porta fechada.
- Posso entrar professor?
Tinha uma vadia ruiva - Michele - sentada no meu lugar. Fui pro fundo. Recebi uma bolinha de papel na cabeça.
Atrasada... Aposto que atrás
Desses óculos têm olhos inchados
Ps: No intervalo te pago um café.
Ian.
Olhei pra ele e vi que que depois de dois meses era a primeira vez que alguém realmente sorria pra mim - e era um belo sorriso.
- Puro por favor - falei enquanto escolhia o que ia comer.
- O que fez à noite? - me assustei com a pergunta.
- Dormi. Por quê?
- Sonhou comigo?
- Você só pode tá brincando, né? - Sim, ele era um idiota.
- Não, é por que eu sonhei com você.
- Sonho bom ou sonho ruim?
- Sei lá, não entendi direito.
Aulas. Almoço. "Momento dona de casa". TV. Lanche.
Ir na casa do Ian terminar o trabalho? Por quê não.







      

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Uma Música que seja

...como os mais belos harmônicos da natureza. Uma música que seja como o som do vento na cordoalha dos navios, aumentando gradativamente de tom até atingir aquele em que se cria uma reta ascendente para o infinito. Uma música que seja como o som do vento numa enorme harpa plantada no deserto. Uma música que seja como a nota lancinante deixada no ar por um pássaro que morre. Uma música que seja como o som dos altos ramos das grandes árvores vergadas pelos temporais. Uma música que seja como o ponto de reunião de muitas vozes em busca de uma harmonia nova. Uma música que como o voo de uma gaivota numa aurora de novos sons...

Vínicius de Moraes

quinta-feira, 4 de julho de 2013

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Vamos de música?

Tô aqui aprendendo as cifras de duas músicas que adoro, resolvi deixar uma música para inspirar o dia de vocês, aí vai:


Bom dia!

terça-feira, 2 de julho de 2013

Meus livros: Grogue

Tenho que confessar uma coisa, hoje quem ver essa Jéssica apaixonada por livros não imagina que esse amor só começou em 2011, pois é, antes disso eu passava longe das bibliotecas, mas não sei o que aconteceu naquele ano que me fez criar tanto amor pela literatura.
E me lembro que foi nas férias de junho (é, aqui as férias são em junho mesmo) que minha amiga e vizinha (que já apareceu aqui ) bateu na porta de casa perguntando se eu tinha algum livro bom pra emprestar pra ela, emprestei um que tinha pego emprestado na biblioteca da escola, e ela me emprestou o livro Grogue, hoje acordei pensando nesse livro, então resolvi comentar um pouco sobre ele pra vocês:

Gregório namora com Bia, esse namoro já era coisa sem sentido, mas pensava no jeito de Bia, e claro, no como de Bia. Ele se lembra de Lala, e fica meio confuso. Pensa também em Branca, tão linda.
Já não sabe o que fazer, será que ele vai trancar a faculdade? Já deu pra perceber que o Greg tá meio grogue, né?!

Sobre Autor: Toni Brandão já lançou vinte livros, Grogue é o único livro dele que eu já li, mas encontrei muitas pessoas falando superbem dos seus livros, e estou morrendo de vontade de ler Muito Romântico, e o Toni já escreveu seriado para a Rede Globo. Esperem comentários sobre outros livros dele.