quinta-feira, 11 de julho de 2013

Lágrimas, Amizade e Amor, parte 4

- Melhor não - disse colocando a chave na porta - Tá um pouco tarde e eu ainda tenho que copiar os assuntos, se não eu perco a hora de novo.
- Nossa... não tá tarde e você dormiu o dia todo, será que não pode me dá um fora normal?
Fiquei olhando pra ele, pensando em alguma resposta convincente, mas acabei demorando demais.
- Tá bom, tô indo. Não incomodo mais.
Começou a se afastar sem dizer mais nada, como se estivesse dormindo e caísse da cama percebi meu erro.
- Ian - gritei. - Ian... Fica aqui comigo.
Ele parou, mas também não veio em minha direção, fui encontra-lo no meio da rua.
- Algo errado? - perguntei timidamente.
- Nuca imaginei que você gritaria isso no meio da rua, mesmo de uma rua tão parada como essa.
- E aí, vamos entrar? - Foi o que consegui dizer.
- Vamos. - Falou segurando a minha mão.
Sabia que no outro dia as vizinhas fofoqueiras iriam dizer que a menia órfã entrou de madrugada com um rapaz em sua casa. Cidade pequena é assim  mesmo.
- Bela casa.
- Obrigada.
Ele olhou alguns retratos, até ver uma foto minha com Alê, ele não disse nada, mas percebi sua curiosidade.
Tirei o all star, soltei o coque, e comecei a me sentir a vontade com aquela companhia em casa.
- Quer comer alguma coisa? - perguntei.
- Vamos fazer um brigadeiro? - disse animado. - Adoro brigadeiro!
- Pode ser - achei estranho toda aquela animação.
Bagunçamos toda a cozinha só para fazer um brigadeiro, no final da contas ficou bom.
- Ai! queimei minha língua - reclamei.
- Claro, você tem que esperar esfriar.
- Vou no banheiro rapidinho. - Abri a torneira, joguei água no meu rosto, não sabia que jogo era aquele, mas estava disposta a jogar.
Entrei na cozinha, e nada de Ian nem panela de brigadeiro.
- Ian! - Chamei.
Ninguém respondeu, procurei ele na sala, e nada, entrei no meu quarto, mas também não tinha ninguém, ouvi a porta se fechando, quando fui me virar ele me beijou, não sabia se aquilo estava certo, só sabia que estava gostando. Ele me levou até a minha cama e começou a me beijar delicadamente, não tinha planos que a minha primeira vez fosse com o ex da minha ex melhor amiga, mas essa história estava precisando mais de atual do que de ex. A noite foi perfeita, totalmente fora dos planos - mas perfeita - acompanhada de brigadeiro e de muitos beijos. Acordei de madrugada e vi aquele cara branquinho de ombros largos e braços fortes dormindo na minha cama nem acreditei.
- Psiu - chamei meio sonolenta - você tá qui mesmo?
- Não poderia estar em outro lugar. - Disse me beijando.
Dormi.
- Ei menina, você tem que acordar! - alguém disse puxando o cobertor, e não era o cara que sonhei no começo da semana, esse que puxava o cobertor era bem mais bonito, idiota e apaixonante.
- Que horas são? - quis saber.
- Seis e quinze. Por que?
- Não acredito que você me acordou essa hora. - Olhei com cara feia.
- Tá, então vou deixar seu café da manhã aqui em cima e vou ir embora.
Levantei com um pulo.
- Obrigada Ian, você é um amor.
- De idiota a "Um amor" grande evolução.
- Você continua sendo um idiota só que agora é o meu amor.
Beijos. Bagunça. Travesseiro. Mini faxina na cozinha. Banho juntos.
- Partiu colégio?
- Espera aí, falta o blush.
- Não podia faltar, né? - disse ironicamente.
Saímos de mãos dadas a caminho do colégio, depois de algum tempo percebi que a Michele estava vindo na nossa trás.
Continua...
    

Nenhum comentário:

Postar um comentário