segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Sempre Tem Uma Garota, Parte 10

Abri a porta de casa permitindo que ela entrasse, soube que não tinha ninguém pelo fato de todas as luzes estarem apagadas. Acendi a luz da sala e olhei para o sofá que há uma semana havia beijando Luísa.
- Parece que seus pais resolveram nos deixar sozinhos - disse ela.
- Aposto que foi coisa da minha mãe.
- Casa legal - disse ela me puxando - não vai me convidar para comer alguma coisa?
- Claro.
A conduzi até a cozinha e vi um bilhetinho da minha mãe pregado no microondas:

TEM PIZZA! FOMOS AO CINEMA, DIVIRTAM-SE 

Esquentei a pizza e coloquei os refrigerantes em cima da mesa.
- E aí? - disse ela quando eu me sentei. - Você ainda tá afim da garota que não te dar a mínima?
- Como você sabe da Luísa?
- Porque você me deu o fora aquele dia na festa, só podia ter uma garota que não tá nem aí para você, pra você me dar o fora.
- Convencida.
- Realista - ela se inclinou pra perto de mim. - Eu sou uma ruiva muito bonitinha.
E eu era um cara que estava morrendo de vontade de beijá-la. Quando me inclinei para me aproximar ela se afastou.
- Vamos comer! - disse ela toda animada.
Terminamos de comer e eu morri de rir com algumas coisas que ela me contou.
- Já te contei bastante sobre minha vida, agora eu quero saber sobre você.
- Têm fotos minhas de quando eu era criança lá em cima, quer ver?
- Por quê não?
Ela me seguiu escada a cima. Abri a porta do meu quando e acendi a luz, ela se sentou na minha cama sem cerimonias, tirando as sapatilhas dos pés.
Peguei uma caixa em cima do guarda-roupa e me sentei ao lado dela me livrando dos meus próprios tênis.
- Promete que não vai rir? - falei antes de entregar o álbum para ela.
- Não.
- Que coisa mais fofa! - a primeira foto que ela viu foi uma de quando eu tinha uns 10 meses, eu estava pelado. - Que bundinha bonita!
- Para com isso - comecei a rir junto com ela.
Ficamos um tempão olhando minhas fotos, algumas eu estava com a cara enfiada num bolo de aniversário, em outras eu não tinha dente.
- Dá próxima te levo lá em casa para você ver minhas fotos - disse ela se levantando.
- Próxima, é?
- Por quê? - ela sorriu beijando meu rosto. - Você não quer ver minha bundinha?
- Claro que eu quero.
Nos beijamos uma vez, foi quase um toque, mas depois as coisas ficaram mais intensas. Quando nós nos jogamos de novo em cima da cama ouvi o barulho de passos na escada.
- Acho que meus pais chegaram.
- Não tem problema - disse ela beijando canto da minha boca. - Eles que provocaram esta situação.
- Você tem razão.
Continuamos nos beijando, porque Mel era incrivelmente louca e eu estava loucamente apaixonado. Só naquele momento percebi que ela era minha garota.

Fim!


Nenhum comentário:

Postar um comentário