segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Vida Que Segue

O cobrador do ônibus me ajudou a tirar minha mala, olhei em todas as direções, não tinha ninguém me esperando. Também, havia saído daquela cidade cinco anos antes jurando nunca mais voltar. Como por costume estava me contradizendo, eu, uma Luana de 23 anos, mais responsável, e sem ter pra onde ir.
Minha mãe me levou para longe dali quando eu tinha 18 anos, por causa de uma série de boatos envolvendo o namorado da minha melhor amiga e eu. Não estava nem aí para o que as pessoas pensavam de mim, e sei que por ser uma cidade pequena elas devem ter pensado horrores, mas só ligava para o que a minha - até então - melhor amiga pensava. Não neguei nada, eu havia sim beijado o namorado dela durante uma festa, mas o álcool já tinha subido na minha cabeça fazia tempo e na dele também.
Passei em frente a minha antiga casa, e fui para uma pequena pousada. Percebi o olhar das pessoas, algumas acho que não me conheceram com o cabelo curto, muitas encaram minhas roupas e meu par de coturno.
À noite soube da existência de um cinema e resolvi ir assistir um filme qualquer, era uma novidade pra mim o fato de ter um cinema naquela pequena cidade. Era uma animação muito divertida. Saí do cinema sorrindo por ter encontrado velhos amigos.
Dei de cara com Aline - minha melhor amiga - seu namorado, e uma linda garotinha de mais ou menos três anos.
- Oi - disse eu meio assustada.
- Oi - a menina respondeu toda sorridente.
- Não fale com estranhos filha. - Disse Aline colocando segurando a mão da menina, então eu vi a aliança brilhar na mão esquerda dela.
Eles tinham se casado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário